26/03/2010

A difícil arte de ser você mesmo

A cada bela impressão que causamos, conquistamos um inimigo. Para ser popular é indispensável ser medíocre
Oscar Wilde


Na realidade buscamos seres humanos iguais ou semelhantes a nós, pessoas com as mesmas opiniões, sentimentos, valores e crenças, por isso a diferença nos outros nos incomoda tanto, eles traem nossos princípios, logo julgamos que devem estar errados e lhes falta experiência ou conhecimento para evoluir até o nosso estado de grandeza.

Poucas pessoas possuem a coragem de realmente ser elas mesmas, a pressão contrária é muito grande e assim a maioria tenta se adequar ao comportamento social vigente e assim aos poucos se transforma naquilo que não é, afundando-se em falsas palavras, atitudes e sentimentos, causando aos outros uma sensação de sempre estarmos senhores da situação. Pura ilusão.

A cada dia distanciamo-nos um pouco mais de nós mesmos, e como numa neblina, um vazio frio e úmido passa a nos envolver. Nossos dias começam a se tornar tristes, nossas amizades vazias, pois nos enterramos em conceitos que não são nossos para parecer agradáveis aos outros, esquecendo de nossa verdadeira essência.

Numa de minhas viagens encontrei com um morador de rua que sempre estava no mesmo lugar, não pedia nada, apenas olhava para o horizonte, um dia parei, lhe dei um sanduíche e sentei para conversar. Ele me contou sua historia, família, trabalho, amigos, ouvi com atenção e finalmente lhe perguntei o que havia lhe acontecido para ele decidir viver assim, nunca esqueci a sua resposta:

"Eu me perdi de mim mesmo".

Quantas pessoas estão hoje perdidas de si mesmas, vivendo valores, crenças, sentimentos e metas coletivas que não são suas, tentando alcançar um modelo de ser humano que a maioria das pessoas prega, mas não pratica.
Quantas pessoas magoam-se a si mesmos pelo temor gerado diariamente pela sociedade de que alguém possa rir de você, o medo de perder algo ou alguém, que percam o respeito por você, medo da rejeição ou mesmo para não magoar os outros.

Você já parou para pensar o quanto estes medos e ferramentas de manipulação limitam os seus talentos.

Segundo Ralph Waldo Emerson você deve insistir em si mesmo; nunca imite. Seu próprio talento você pode apresentar a cada momento com a força acumulada pelo cultivo de uma vida inteira; mas do talento adotado de outra pessoa você tem apenas uma extemporânea posse parcial. Faça o que foi designado para você, e nenhuma esperança ou ousadia poderão ser demais.

Lembre-se, ninguém é perfeito, você possui qualidades e defeitos como todos os demais seres humanos e por isso devemos aprender a conviver com eles e aceita-los. A beleza e a diferenciação humana estão justamente nestas imperfeições, "até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro diria Clarice Lispector.

Também esqueça a diplomacia, ser diplomático significa ser outra pessoa. Quer melhor sinônimo para hipocrisia do que, diplomacia? Seja simplesmente você mesmo! Não minta para si mesmo. Você não merece!

Não precisa temer uma punição. Porque temos que ser assombrados pelo medo do julgamento alheio?

Ser você mesmo é uma tarefa difícil e exaustiva. É uma tarefa diária, pois a todos os momentos sofremos influências profundas para, de alguma forma, reconstruir nossa personalidade seja da família, da escola, da Igreja, da empresa, do clube, dos amigos e dos inimigos.

Mesmo com este processo de reconstrução constante não somos aceitos pelo que somos. Somos aceitos pelo que os outros querem que sejamos. E então, mudamos. Vivemos mudando. Mudamos nosso jeito de falar, de se vestir, de ver o mundo, nossos gostos musicais, nosso modo de se divertir e de repente você acorda numa manhã qualquer e não se reconhece mais. È neste momento que você descobre que se perdeu de si mesmo.

Tenho consciência de que mudar é a nossa única certeza na vida, é inevitável desde que isso seja feita para o seu próprio desenvolvimento pessoal, não para agradar os outros ou construir personagens politicamente corretos.


Como diria Pablo Picasso "qualquer outro terá todos os meus defeitos, mas nenhuma das minhas virtudes."


Assuma o seu "EU" verdadeiro, pare de representar papeis socialmente corretos, crie o seu próprio espaço, solte as rédeas do seu verdadeiro talento. Acredite em si mesmo, aceite seus defeitos e qualidades e siga em frente.


Roberto Recinella.

7 comentários:

Raquel disse...

Amiga linda...
Ser nos mesmo é um preço alto a se pagar.
Na nossa profissão pode significar ter falta de profissionalidade, ser taxada como relaxada, e ficar desempregada...
Estou escrevendo esse comentario com uma roupa que nunca imaginei que usaria..Uma blusa super social BRANCA uma calça social cinza e um SAPATO DE SALTO ALTO beje....Hahaha ve se isso se parece comigo?
Porem, a gente tem que saber se adaptar a nossa realidade. Sem perder a personalidade no meio dessas imposições. Estou de cabelo curto, brincos com strass, bem brilhantes, super maquiada, ( isso agora é a minha cara ne). Pois é.
Então eu acho que na nossa vida profissional a gente tem que sim interpretar um papel, ate pq esse é o meu talento interpretar, afinal somos advogadas poxa!
Mas eu NUNCA deixo de colocar um pouco de mim no meu papel profissional! Tem sempre um toque "metaleiro" nas minhas coisas, maquiagem coloridas, sempre colocando um pouco da minha personalidade, mas não toda....Infelizmente o mineiro ainda é muito tradissionalista.
E acho que se adequar a uma profissão que VC escolheu não é perder sua personalidade, é aprender como lidar com ela
beijos

Nega no divã disse...

A questão de aceitação do Eu é algo tb a se avaliar. Muitas das traves q existem em pessoas q tentam se moldar para serem aceitas acontecem por motivos até claros. É possível citar algum trauma na infância, no meio familiar, amigos apelidando com palavras fortes e etc. Não vou dar uma de psicóloga [até pq não é o meu forte] mas posso dizer q eu já sofri de 'problemas de aceitar meu Eu' pq não compreendia q a excência é o mais importante e cabe tanto a mim qt ao mundo respeitar toda e qualquer personalidade principalmente a íntima.

Phelype Wesley disse...

Nossa muito bom esse texto,acho que todos nós interpretamos personagens diferentes de acordo com a situação ou lugar em que nos encontramos.
É muito importante nos dias de hoje as pessoas se lembrarem de manter sempre a fé,em Deus em si mesmas e nas pessoas.
Acho que as vezes ser nós mesmos como esse texto diz é um exercício complicado, isso não só por causa da falta de compreensão que vamos sofrer mas também porque nem sempre o que sentimos ou o que pensamos vai estar de acordo.
Eu acredito que existe sim o certo e o errado e se algo que penso ser na minha ideia de vida for certo e biblicamente tbm então posso ser tranquilo se não e melhor eu olhar bem pra que tipo de pessoa estou me tornando.

So artes disse...

Olá Laine, seja bem vinda ao meu cantinho e obrigada por participar do sorteio da Amizade, boa sorte!
Beijinhos
So

Jalila Eos disse...

Mesmo por imposição da sociedade, principalmente emprego, aprendemos muito, tiramos lições e, no meu caso, nos aceitamos mais ainda e aprendemos a sermos tolerantes.
Agora se você puder ($$$) ter seu próprio negócio, aí minha filha, liga o foda-se e vai ganhar a tua vida, né não? hehehehe penso assim!!!!
Morro de vontade de ter meus cabelos coloridos novamente...mas infelizmente ainda não posso usá-los. Tenho 27 anos e trabalho em uma multinacional, pense na pressão? hehehehehe
Beijos linda

andrefelipeal@bol.com.br disse...

eSSE TEXTO É PERFEITO E TAMBÉM PARECE QUE FOI ESCRITO PRA MIM....LANE, AMORE, VC JA PENSOU EM FAZER PSICOLOGIA?? RSRSR ^^
AMODORO VC MUITO!!
BEIJOS
@NDRÉ

Phelype Wesley disse...

Assim como esse texto diz,descobrir quem somos é uma tarefa diária.
Muitas vezes nem precisamos de psiquiatras ou terapias ou algo do tipo, as vezes tudo o que precisamos é descobrir quem realmente somos!!